Agricultores preocupados com a criação de Zona Especial de Conservação

Criação de Zona Especial de Conservação (ZEC), de Monfurado, Cabrela, Cabeção e Moura-Barrancos gera preocupação entre os agricultores, uma informação avançada pela União da Floresta Mediterrânica, em comunicado.

Este descontentamento prende-se com um conjunto de medidas apresentadas para a conservação destes sítios, onde, segundo afirma Joaquim Capoulas, presidente da Apormor, se torna perigoso “continuarem a ser feitos projetos, destas zonas especiais de conservação à revelia das pessoas que estão no campo”, tendo para isso sido feito uma discussão pública de forma a ouvir as preocupações de todos.

Neste documento, algumas das medidas prendem-se com a proibição de realização de atividades nestas ZEC, que segundo Joaquim Capoulas, “não têm qualquer sentido poque pdoem ser muito prejudiciais, para as economias rurais”, até porque, “muitas das medidas ali contempladas, colidem com regras da Política Agrícola Comum”, bem como do Modo de Produção Biológico, a implementar pela União Europeia.

O presidente da Apormor, bem como toda a Associação, mostra-se disponível para negociar sobre este assunto, “nós associações preocupamo-nos muito com o equilíbrio entre o ambiente e produção, mas sabemos que sem a produção e a criação de riqueza, não há hipótese de as pessoas se manterem no campo”.

Segundo a UNAC a perda de capacidade produtiva e de rendimento poderão levar ao abandono destes locais, prejudicando diretamente a sustentabilidade total dos ecossistemas, destruindo espécies e habitats que se pretendem conservar.