Estação da Biodiversidade de Figueira e Barros no “Ambiente em FM”

Figueira e Barros, no concelho de Avis, vai ter uma Estação da Biodiversidade da Tagis, o Centro de Conservação das Borboletas de Portugal.

 

Na edição desta semana do “Ambiente em FM”, José Janela, da Quercus, explica aquilo que estações de biodiversidade “são percursos pedestres curtos, sinalizados no terreno através de nove painéis informativos sobre as riquezas biológicas a observar pelos visitantes”. Cada estação está localizada num local de “elevada riqueza específica e paisagística, representativa dos habitats característicos da área”.

Os painéis funcionam como “uma espécie de guia de campo e fazem referência a espécies emblemáticas e comuns. É dado particular destaque aos insetos e plantas, que são a base para a conservação dos ecossistemas terrestres”, adianta o ambientalista.

Desde 2010 que as entidades responsáveis pelas estações da Biodiversidade são, para além do Tagis, o Museu Nacional de História Natural e da Ciência e o Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais.

Dos estudos de inventariação, já realizados, foram registadas mais de cinco mil observações, que correspondem a cerca de 750 espécies de invertebrados (a maioria são insetos), cem vertebrados e 750 plantas. Foi igualmente construída uma base de imagem com mais de vinte mil fotografias.

Os principais objetivos deste projeto, adianta ainda José Janela, “são aumentar o conhecimento sobre a biodiversidade, contribuir para a valorização do património natural, e especialmente, promover a participação dos cidadãos na inventariação da nossa fauna e flora”. Assim, qualquer pessoa pode dirigir-se a uma Estação da Biodiversidade e colaborar ativamente na sua inventariação e monitorização.

Esta rede “representa uma grande parte da diversidade de habitats e espécies do país, integrando locais privilegiados para prosseguir o trabalho de inventariação, observação e monitorização da biodiversidade. As estações têm, igualmente, um elevado potencial para a realização de ações de formação, bem como de turismo ambiental”, remata José Janela.