Setor da hotelaria é um dos mais afetados com falta de trabalhadores

A falta de mão de obra no setor da hotelaria é uma questão que se arrasta há vários meses, sendo que segundo a Associação da Hotelaria e Restauração (AHRESP) faltam mais de 40 mil trabalhadores no setor, dos quais cerca de 15 mil nos hotéis.

São diversos os fatores que podem estar na origem desta falta de trabalhadores. Para Arnaldo Frade, delegado regional do Alentejo do Instituto de Emprego e Formação Profissional as razões baseiam-se nos “horários praticados, o sistema de transportes ou ausência dele e remuneração, porque na hotelaria praticam-se horários que não são, muitas vezes, compatíveis com os próprios e escassos meios de transporte público que temos, o que obriga a que as pessoas tenham viatura própria, muitas vezes para percorrer distâncias longas e, nem sempre o vencimento que auferem sugere ou provoca atração a esta área de atividade”.

Arnaldo Frade afirma que tem que haver “um ajuste que tem que ver com vários setores, uma vez que esta questão é transversal a outras áreas, não só por causa da questão remuneratória porque até há áreas em que esta questão não se coloca e é significativa, mas aí pesa um pouco a depreciação social das qualificações, em que muitas pessoas não querem trabalhar em determinadas áreas de atividade independentemente do que possam ganhar”.

Relativamente à Hotelaria os três fatores mencionados anteriormente, muitas vezes, também “não permitem a organização da vida familiar, de uma forma normal, as questões dos transportes e remuneratória e as instituições para acautelar familiares a cargo são fatores importantes nesta questão da empregabilidade”.

O delegado regional do Alentejo do IEFP adianta ainda que “alguém que trabalhe num hotel ou restaurante que saia às 22 ou 23 horas, numa localidade onde os transportes são escassos é complicado, e esta questão tem de ser analisada, olhando várias vertentes, para que as pessoas estejam disponíveis para fazerem carreira e trabalhar neste setor”.

Falta de trabalhadores que, à semelhança de outros setores, são cada vez menos também nas áreas relacionadas com a hotelaria.