MAREESS contou este ano com 1663 desempregados do Alentejo

A Medida de apoio ao reforço de emergência em equipamentos sociais e de saúde, promovida pelo Governo, em consolidação com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, consiste no apoio à realização de trabalho socialmente necessário, para assegurar a capacidade de resposta das instituições públicas e do setor solidário com atividade na área social e da saúde, durante a pandemia.

No Alentejo foram já 1663 as pessoas que, este ano, estavam desempregadas e foram empregadas, temporariamente, nas entidades que necessitavam desta resposta social, adianta Arnaldo Frade, delegado regional do Alentejo do IEFP. “No ano passado, no Alentejo foram 926, havendo “por parte do serviço público um apoio às entidades, através dos desempregados, para poderem dar um apoio dos utentes a seu cargo, nomeadamente em misericórdias”.

Arnaldo Frade revela ainda que no “final do período para o qual as pessoas foram requisitadas, para prestar determinado tipo de serviço, haverá um prémio para as entidades que empreguem posteriormente estas pessoas, com o objetivo de as incentivar a recrutar estas pessoas, sem necessidade de fazer outro processo de recrutamento, desde que tenham capacidade financeira”.

Medida de apoio ao reforço de emergência em equipamentos sociais e de saúde, no âmbito da Covid-19 que já empregou, no  Alentejo, este ano, 1663 pessoas, em entidades que necessitavam deste tipo de resposta social, ainda que de forma temporária.