Alentejo com menos 2 815 desempregados face a maio de 2020

A região Alentejo registou, a nível nacional, a segunda maior queda de desempregados, a nível nacional, inscritos nos Institutos de Emprego e de Formação Profissional, no mês de junho.

Esta foi informação avançada por Arnaldo Frade, Delegado Regional do Alentejo do Instituto de Emprego e Formação Profissional, que revela ainda que a” diminuição do número de desempregados no Alentejo registou-se tanto, comparativamente com o mês anterior à divulgação dos dados, ou seja maio, como com o ano passado, no mesmo mês”. No Alentejo, em junho, registavam-se 15 536 desempregados, sendo menos 903 face ao mês anterior e menos 2 815 face a 2020”.

Para o delegado regional do Alentejo do Instituto de Emprego e Formação Profissional, estes dados demonstram que “há uma evolução positiva, no mercado de desemprego na região, sendo que este tem acompanhado um pouco o que é a situação pandémica do país, uma vez que as medidas da proteção levaram a um conjunto de limitações, que tiveram consequências na economia e no mercado de trabalho”. O que se nota é que “embora não estejamos numa situação normal, em termos de pandemia, nota-se evolução do desemprego favorável, porque a abertura da pandemia, paulatinamente, já está a dar os seus frutos, havendo pessoas que conseguem transitar para o mercado de trabalho”.

Ao nível das ofertas de emprego, no Alentejo houve mais 2.295 postos de trabalho, do que em maio do ano passado, o que para Arnaldo Frade “dá nota do acréscimo de dinamismo da atividade comercial”.

Questionado sobre as áreas onde há mais ofertas de trabalho, Arnaldo Frade adianta que “não há um setor que se destaque”, no entanto está, intimamente ligado, à reabertura da economia e dos diversos setores”

Região Alentejo que regista uma queda no número de desempregados, em junho, face ao mês de maio, e também ao período homólogo do ano passado.