Floriano Saiote: “há pessoas que dependem de uma gota de sangue para sobreviver”

A Associação dos Dadores Benévolos de Sangue do concelho de Montemor-o-Novo promove no domingo, dia 15 de agosto, mais uma recolha, na sua sede.

De acordo com o presidente da associação, Floriano Saiote, este ano, sobretudo, tem aparecido muita gente nova a dar sangue pela primeira vez, o que tem permitido manter os números de dádivas de outros tempos, numa altura em se verifica um envelhecimento acentuado da população. “Notamos também que, no ano passado, muitas pessoas que não davam sangue, há muito tempo, voltaram a dar”, adianta.

Alguns dos dadores habituais, assegura Floriano Saiote, deixaram de dar sangue, ou pela idade ou por problemas de saúde. Ainda assim, as cerca de 40 novas dádivas, registadas este ano, permitem que o número de recolhas de sangue não diminua.

“Se nós pensarmos que a cada dádiva podemos salvar três vidas, não valerá a pena perder esse tempo e ir dar sangue?”, questiona-se o presidente da associação, lembrando que o sangue continua a não poder ser “fabricado” e que há pessoas que “dependem de uma gota de sangue para sobreviver”. “O sangue nunca é demais e nós continuamos a achar que não deve ser o doente a esperar pelo sangue, mas o sangue pelo doente”, remata.

A colheita de domingo decorre entre as 9.30 e as 13 horas, na sede da associação, na Rua de Mora, nº5. As marcações podem ser feitas através das redes sociais ou do contacto 928 022 350.