João Grilo: projeto de Intervenção para Terena “irá dignificar esta vila histórica”

O estudo prévio do plano de Intervenção para Terena, em Alandroal, liderado pelo arquiteto Manuel Aires Mateus, já foi apresentado.

Este plano procura criar “mais atratividade para o centro histórico, valorizando os edifícios históricos que estão na proximidade do castelo, como é o caso da igreja da Misericórdia e antigos Paços do concelho e criar uma resposta, que o concelho não tem neste momento, que é um museu do concelho, sendo objetivo trazer uma parte da memória do culto Endovélico, que é de relevância nacional, que tem uma grande expressão, na região”, como adianta João Grilo, presidente da Câmara de Alandroal.

O Monte de S. Miguel da Mota, onde se faziam os cultos Endovélicos, “fica na freguesia de Terena pelo que sempre foi ambicionado que o museu aqui ficasse localizado, tendo consciência que não é todos os dias que se pode projetar um museu de dimensão nacional e internacional”, pelo que, tal como explica o presidente, é objetivo que o museu, trouxesse a memória não só deste culto, mas também concentrar outros aspetos da cultura e tradição”.

João Grilo demonstra-se satisfeito com este primeiro passo, que é o estudo prévio, admitindo que “o nível de ambição colocado no projeto, a ambição que lhe queremos dar e a qualidade com que o queremos fazer irá dignificar a vila histórica de Terena e a projeção que merece, no contexto local e regional”.

Neste processo de recuperação e revitalização do espaço, num concelho que tem três castelos – Juromenha, Alandroal e Terena – envolve vários parceiros como a Direção Regional de Cultura do Alentejo, o Museu Nacional de Arqueologia e a CCDR Alentejo.