Évora recebe músicas e culturas dos mais variados pontos do globo

Festival Imaterial EvoraO Festival Imaterial – Património pensado e vivido decorre entre 18 e 26 de junho e cruza em Évora músicas e culturas dos mais variados pontos do globo. Mali, Turquia, Itália, Azerbaijão, Hungria, Mongólia e, claro, Portugal, são alguns dos países representados.

O Imaterial é um festival que assenta no diálogo entre culturas distintas, entre passado e presente, entre património edificado e património imaterial. Os concertos realizam-se no Teatro Garcia de Resende e no Jardim Público.

Para lá da música, este evento será palco de outras iniciativas de partilha entre os participantes, fruto do propósito de colocar em diálogo os patrimónios edificado e imaterial. A 24 de junho realiza-se uma conferência internacional sobre Património Imaterial da Humanidade que junta especialistas mundiais nesta matéria (jornalistas, programadores e influenciadores).

No dia seguinte, 25 de junho, tem lugar a apresentação do Laboratório de investigação IN2PAST, cuja sede será a Universidade de Évora. O âmbito desta estrutura vai “da paisagem às artes, dos monumentos aos museus e arquivos, passando pelas políticas públicas de memória.” O laboratório é financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia com o envolvimento da Universidade Nova de Lisboa e da Universidade do Minho.

Entre os dias 24 e 26 acontece o Iberian Music Meeting. “Ao longo de três dias, preenchidos por conferências, mesas redondas, oficinas, speedmeetings (encontros rápidos) e showcases (pequenos concertos), as músicas de raiz e expressão ibérica mostrar-se-ão a um amplo conjunto de programadores, agentes, promotores, produtores, editoras, técnicos e jornalistas de todo o mundo, potenciando o alcance internacional da sua expressão e assumindo um compromisso de celebrar as músicas ligadas ao passado garantindo-lhes também a viabilidade de um futuro.”

De forma transversal ao festival, entre 15 e 18 de junho, tem lugar uma residência artística que pretende “criar encontros entre tradições de canto polifónico, partindo, como é evidente, do cante alentejano.” Concluída a residência, os resultados serão visíveis através de um concerto público ao ar livre que une o Grupo de Cantares de Évora ao Cuncordu & Tenore Orosei, proveniente da Sardenha, Itália.