Universidade de Évora avalia conservação dos morcegos em Portugal

creditos_paulo_barro9835216fdefaultlarge_1024A Universidade de Évora, juntamente com a Universidade do Porto e de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e ainda em articulação com o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), está a realizar um projeto para avaliar o estado de conservação dos morcegos em Portugal.

 

Neste momento está a ser feita a revisão de um documento muito importante para avaliar o estado de conservação dos mamíferos, não só os morcegos, mas também as raposas, os saca-rabos, os ratos, as lontras, entre outros mamíferos terrestres e marinhos.

Neste sentido, esta a ser feito para o sul de Portugal “um estudo sobre a conservação dos morcegos”, como refere António Mira, investigador na Universidade de Évora.

Os morcegos são, de entre os mamíferos terrestres, aqueles que no anterior livro vermelho e provavelmente neste que está a ser revisto agora, os animais mais ameaçados, salienta o investigador.

Neste momento existem 27 espécies de morcegos no continente e está a ser avaliado quais são as que se encontram mais ameaçadas.

“Estiveram a ser feitos inventários em todas as zonas importantes a sul do Tejo, nomeadamente nos ciclos Rede Natura 2000, designados como sítios de importância comunitária ou zonas de proteção especial”, refere António Mira.

Os dados do estudo estão a ser analisados para serem comparados com os do anterior livro vermelho e ver que espécies são mais abundantes e perceber quais as espécies ameaçadas para implementar medidas que revertam essa situação de amea

ça.