Carlos Pinto de Sá não concorda com entrada para lista de risco

CarlosPintoDeS-300x248O concelho de Évora faz parte da lista dos 191 concelhos do país com elevado risco de transmissão da Covid-19. As medidas restritivas e de combate à pandemia, imposta pelo Governo, entraram já em vigor às zero horas desta segunda-feira, dia 16, como é o caso do recolher obrigatório e o encerramento de estabelecimentos, ao fim-de-semana.

 

O presidente da Câmara Municipal de Évora, Carlos Pinto de Sá (na foto), considera que “a fórmula utilizada para incluir ou excluir concelhos da lista de elevado risco de contágio é injusta e incompleta, uma vez que, no caso de Évora, não há contágio comunitário e isso deveria ser tido em conta. Temos apenas um surto ativo e todos os outros casos estão confinados, controlados e acompanhados pela Saúde Pública e autoridades”.

“Esta situação de inclusão nesta lista causa-nos diversas preocupações. Em primeiro lugar, preocupação com o impacto que tem na atividade económica, em particular das micro, pequenas e médias empresas que já estão com enormes dificuldades de sobrevivência. Por isso, temos chamado a atenção para a necessidade de ponderar as medidas quando elas têm este impacto tão grande”, sublinhou.

Carlos Pinto de Sá garante que não há indicação que “as empresas relacionadas com o pequeno comércio e restauração tenham contribuído para alguma expansão da pandemia”.

Os únicos estabelecimentos que ao fim de semana se podem manter abertos, após as 13 horas, são as farmácias, clínicas e consultórios, estabelecimentos de venda de bens alimentares com porta para a rua até 200 metros quadrados e bombas de gasolina.

A partir das 13 horas, os restaurantes só podem funcionar através de entregas ao domicílio.