Comissão de Economia e Turismo de Évora preocupada com Covid

Praça de SertórioA décima Reunião Plenária da Comissão Municipal de Economia e Turismo de Évora, realizada por videoconferência, identificou as consequências dramáticas que a pandemia Covid-19 trouxe à economia do concelho.

Dados oficiais comunicados pelo presidente da Câmara Municipal de Évora, Carlos Pinto de Sá, referem, a título de exemplo, que no setor do turismo a atividade atingiu níveis de quebra superiores a 95%. Numa cidade em que o turismo se consolidou como uma das principais fontes de dinamização da atividade económica, este impacto negativo “teve consequências sociais alarmantes, com o aumento do desemprego e o consequente efeito dramático num elevado número de famílias”, afirma o Município. Apesar do recurso ao layoff, recorda a autarquia eborense, “que salvou do encerramento muitas das pequenas e micro empresas, têm-se verificado dificuldades acentuadas em grandes unidades, nomeadamente do setor da aeronáutica”.

Os representantes dos vários setores da atividade económica do concelho fizeram ouvir as suas preocupações quanto ao decréscimo muito acentuado do comércio e das atividades associadas ao turismo. Com a aproximação da época natalícia, os comerciantes locais manifestaram a sua apreensão com o agravamento da situação e solicitaram o apoio da Câmara Municipal de Évora com medidas que atraiam a população às zonas comerciais da cidade.

O presidente da Câmara Municipal informou a comissão que “continuam a ser recolhidas ideias para o futuro da Feira de São João e que a autarquia espera os contributos dos agentes económicos”. O objetivo “é reunir o maior consenso possível numa decisão que, não deixando de prestigiar um evento secular e muito enraizado na população, consiga adaptá-la aos tempos modernos e às contingências do progresso”.