Militar da GNR sofre agressão com recurso a arma branca

GNRUm militar da Guarda Nacional Republicana (GNR) sofreu, ontem (domingo, dia 23), em Campo Maior, uma agressão com recurso a uma arma branca, de que resultaram ferimentos na zona do tórax.

“A patrulha do posto de Campo Maior foi chamada pela mãe que não sabia do paradeiro do filho e, quando chegou a casa, encontrou um indivíduo que, sem que nada o fizesse prever, puxou de uma faca para atacar os militares da GNR que, com alguma destreza, conseguiram deter o indivíduo, que foi presente ao Tribunal de Elvas, esta tarde”, explica o comandante do Destacamento Territorial de Elvas, capitão João Lourenço.

Já António Barreira, da Associação dos Profissionais da GNR, lamenta a situação: “este episódio, infelizmente, é mais um exemplo em relação ao risco da profissional. Em Campo Maior, o indivíduo teve uma reação que tentou atacar o militar no peito. Felizmente, foi imobilizado e detido”. “O militar foi acompanhado psicologicamente”, adianta. António Barreira recorda ainda que “foi reprovado, no Parlamento, o reconhecimento de profissão de desgaste rápido para as forças de segurança”.

Militar atacado com arma branca em Campo Maior provoca reação da Associação dos Profissionais da GNR, relativa ao não reconhecimento de profissão de desgaste rápido para as forças de segurança.