PCP questiona Ministra da Saúde sobre atraso na adjudicação da obra do Hospital Central do Alentejo

pcp logoO PCP questionou esta quarta-feira, dia 1, a Ministra da Saúde sobre um novo atraso na adjudicação da obra do novo Hospital Central do Alentejo, em Évora.

“Em causa está o compromisso assumido publicamente pela ARS-Alentejo de que a adjudicação da obra estaria concluída no primeiro semestre de 2020, o que acabou por não acontecer, verificando-se novo atraso no processo.

O PCP criticou o facto de não terem sido cumpridos nem o calendário definido pelo Primeiro-Ministro nem as suas alterações posteriores, bem como a demora na adjudicação pela ARS-Alentejo que tem nas suas mãos todo o processo pronto desde o dia 3 de Março mas continua a atrasar a adjudicação.

O PCP questionou a Ministra da Saúde sobre a data em que a adjudicação da obra será concretizada e sobre o cumprimento dos prazos para que o novo hospital entre em funcionamento em 2023, bem como sobre a falta de articulação do Governo com diversas outras entidades envolvidas no processo, designadamente a Câmara Municipal de Évora, a CCDR ou a Universidade.

O Governo não adiantou qualquer data para a concretização da adjudicação da obra nem justificação para o atraso da ARS, tendo apenas referido a demora na aprovação da candidatura a fundos comunitários, referindo que a mesma apenas ficou concluída a 20 de Abril.

A construção do novo Hospital Central do Alentejo, em Évora, continua a ser uma questão determinante para a saúde de todos os alentejanos e os sucessivos atrasos desta obra, da inteira responsabilidade do Governo PS, são particularmente incompreensíveis considerando as condições de que dispôs para que aquele investimento avançasse.

O PCP relembra as propostas que apresentou e fez aprovar na Assembleia da República no sentido de que a adjudicação da obra fosse concretizada até Junho de 2019 e imediatamente após a conclusão do concurso. A realidade que se vive em Julho de 2020 confirma que eram justos os receios do PCP com a falta de vontade política do Governo em avançar com o investimento.

Tal como aconteceu até aqui, o PCP continuará a bater-se para que este investimento estruturante para toda a Região Alentejo seja concretizado, a bem da qualidade de vida dos alentejanos e do seu direito à saúde.”