“Apoio Maior” do IPDJ gerou onda de solidariedade

IPDJAo abrigo do projeto “Apoio Maior”, pensado e lançado pela delegação do Alentejo do Instituto Português para o Desporto e Juventude (IPDJ), nasceu uma verdadeira onda de solidariedade, em tempos de pandemia, com grupos de jovens voluntários a usarem o seu tempo para ajudar os mais vulneráveis.

Este projeto, em parceria com a Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), avança Miguel Rasquinho, diretor regional para o Alentejo do IPDJ, acabou por se revelar um “grande sucesso”, tendo sido replicado nas regiões Norte, Lisboa e Vale do Tejo e Algarve.

“Disponibilizámos jovens para as juntas de freguesia, que tiveram um trabalho de apoio fantástico junto da população”, assegura Rasquinho. “Teve um êxito mais que assinalável”, acrescenta.

O projeto, no Alentejo, acabou por contar com a participação de mais jovens voluntários que aquilo que se previa, tal como de juntas de freguesia: “tínhamos projetado este Apoio Maior para cerca de 50 jovens e tivemos mais de cem jovens, no Alentejo, e mais de 50 juntas de freguesia”.

Miguel Rasquinho não tem dúvidas que este projeto é o exemplo de que os jovens de hoje continuam a ser solidários e a ajudar aqueles que mais precisam.  Rasquinho explica que este projeto pode estender-se no tempo ou até a conhecer algumas adaptações, mas que a prioridade, nesta altura, foi dar uma resposta aos efeitos da pandemia.

O projeto “Apoio Maior”, contemplou, entre outras, a entrega de compras porta a porta por jovens, o aconselhamento de serviços públicos de apoio, esclarecimento de dúvidas à comunidade, divulgação telefónica e digital dos programas de apoio à saúde, entre outras de apoio logístico às juntas de freguesia.