Arcebispo de Évora preocupado com desertificação do Alentejo

transferir (1)O arcebispo de Évora, Francisco Senra Coelho, tem-se mostrado preocupado com a desertificação e o envelhecimento da população no Alentejo, temendo pelo futuro de muitas freguesias da região.

Senra Coelho lembra que, ao longo dos últimos anos, têm sido muitas as escolas, centros de saúde e postos de trabalho que foram encerrados, assegurando que tem havido um desinvestimento nesta região do interior do país. Aponta como uma “tremenda consequência” deste desinvestimento o “abandono do património e da natureza”.

“Estamos com umas centenas reduzidas de habitantes”, revela o arcebispo, revelando que, à margem de uma reunião que teve com a Fundação Vaquinhas e Velez do Peso, em Assumar, freguesia do concelho de Monforte, se apercebeu que nesta localidade habitam, no máximo 400 pessoas.

O arcebispo assegura ainda que muitas instituições, como lares de idosos, têm já dificuldades no recrutamento de funcionários. “As nossas aldeias estão muito envelhecidas e a emigração será uma resposta”, acrescenta.

“Este problema toca-nos a todos, mas as autoridades do poder central deviam investir no interior, porque não é apenas a autosustentabilidade económica que marca o valor do investimento, mas é também a questão da valorização humana”, diz ainda, rematando a lembrar que “sem pessoas não haverá país”.