Operação “Comércio Seguro” da GNR está a decorrer até dia 24 de dezembro

gnrcomercioEstá a decorrer em todo o território nacional a operação “Comércio Seguro” da Guarda Nacional Republicana (GNR).

Esta operação decorre até dia 24 de dezembro, e , segundo a GNR “com o objetivo de garantir a segurança junto dos comerciantes e clientes,  fruto do aumento de fluxo de pessoas em espaços e áreas de comércio, que tradicionalmente caracteriza esta época natalícia”.

Desta forma, durante a operação são empenhados militares dos comandos territoriais que realizaram ações de sensibilização junto de comerciantes, alertando-os para os procedimentos de segurança a adotar de modo a prevenir que sejam alvos de ilícitos criminais.

Ainda nesta época é reforçado o patrulhamento junto das zonas de comércio, com o objetivo de aumentar o sentimento de segurança junto dos lojistas e clientes.

A Guarda Nacional Republicana aconselha ainda que “Tenha as entradas/saídas do estabelecimento bem iluminadas, antes de fechar o estabelecimento, verifique se as portas e janelas estão devidamente fechadas, não tenha grandes quantidades de dinheiro no interior do estabelecimento, não tenha uma rotina para a realização dos depósitos bancários, tenha sempre disponível o contacto telefónico da GNR da sua área do estabelecimento, em caso de assalto mantenha a calma, não reaja, memorize os traços fisionómicos do assaltante, após um assalto, não mexa em nada e contacte de imediato a GNR”.

Para os compradores/clientes, a GNR aconselha a que “Evite trazer consigo grandes somas de dinheiro e objetos de valor, numa rua movimentada leve a sua mala de mão ou pasta do lado oposto à berma, mantendo-se junto dos edifícios, evite circular em locais isolados e pouco iluminados, em caso de um encontrão com alguém, verifique se a carteira, o telemóvel e os restantes objetos de valor continuam consigo, em caso de assalto, não ofereça resistência, colabore com o assaltante, tente reter na memória a identidade do agressor: estatura e compleição, vestuário, etc., e logo que possível contacte com a GNR”.