Évora: Alicerces descobertos no Aqueduto da Água de Prata

aquedutoDepois de efetuadas sondagens arqueológicas no Aqueduto da Água de Prata, construído na cidade de Évora durante o reinado de D. João III, entre 1532 e 1537, confirma-se que por debaixo da estrutura hidráulica atual, encontram-se vestígios de cerâmica da época romana, associado a silhares de granito e a uma sapata de um pilar tendo por base a métrica de construção então utilizada.

A descoberta foi revelada recentemente (dia 30 de Outubro), por um porta-voz da Câmara Municipal de Évora, durante a realização do Watch Day, dedicado à divulgação do Aqueduto da Água de Prata, no âmbito da sua inscrição no World Monument Watch 2016-2017, promovido pelo World Monument Fund (WMF).

Segundo o município estes achados “vão ser ainda complementados por estudos preliminares das argamassas, levados a cabo pelo laboratório de investigação Hércules, da Universidade de Évora”. Contudo, os dados já recolhidos pela equipa de arqueólogos “permitem concluir tratar-se de duas estruturas construídas em épocas diferentes”, referiu António Candeias, diretor do laboratório de investigação.

Os trabalhos têm vindo a decorrer ao longo dos últimos três meses e contam com a colaboração de mais de uma centena de pessoas, sendo que esta descoberta surge no âmbito do Programa de Consolidação e Valorização do Aqueduto da Água da Prata com o propósito de preservar e valorizar uma estrutura que é monumento nacional desde 1910.

O Aqueduto Água de Prata foi construído inicialmente com uma extensão de 18 quilómetros, e ia desde a Herdade do Divor, onde é abastecida a água, até ao centro de Évora. No século XVII, foi restaurado, devido aos danos que sofreu durante a Guerra da Restauração, e volta depois a sofrer uma intervenção nos séculos XIX e XX, todavia traço original tem sido mantido.

Este aqueduto renascentista, que tem agora uma extensão de oito quilómetros, ainda está em condições de fornecer água ao centro histórico da cidade capital de distrito.