Os efeitos da seca no Alto Alentejo

SecaAltoAlentejoOs efeitos da seca nas explorações agrícolas e nas explorações com criação de gado no Alto Alentejo ainda não atingiram proporções dramáticas. 

A Associação de Agricultores do Distrito de Portalegre não tem recebido queixas dos agricultores e a maior parte das explorações estão preparadas para dar de beber aos animais e para regar. 

Fermelinda Carvalho, presidente da Associação de Agricultores do Distrito de Portalegre (AADP) adianta: “ não é normal que chova nesta altura mas este foi um ano em que não choveu muito, as reservas estão em baixo e é necessários que a chuva regresse no início de setembro. Para já, as culturas não estão em risco, está tudo assegurado mas em termos de reservas de água é um ano difícil e se a chuva não vier no início se setembro os problemas dos agricultores vão complicar-se”. 

Neste momento o maior desejo dos agricultores é que no próximo mês a chuva se faça sentir e reponha as reservas de água, para que a situação não chegue à verificada no Baixo Alentejo, uma das regiões que se encontra em situação de seca fraca segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).