Futebol: Redondense e Lusitano estão na final da Taça Distrito de Évora

gus_lusitano_taaEste domingo, a partir das 15h00, disputaram-se as meias-finais da Taça Distrito de Évora “Dinis Vital”, com o Grupo União Sport (GUS) a receber o Lusitano de Évora, enquanto que, na outra partida, o Redondense teve recepção ao Monte Trigo no Campo do Calvário.

Em Montemor houve um jogo de fortes emoções, com grande intensidade, incerteza no resultado e mais de 120 minutos de futebol.

O jogo iniciou com mais União na partida, que jogou mais tempo instalado no meio campo do Lusitano, embora o jogo se pautasse maioritariamente pelo equilíbrio. Aos 19 minutos surge uma tremenda oportunidade para o GUS, através de Tony Cabrita, com a bola a ficar presa num lençol de água e a impedir a alegria alvinegra. Também Vítor Pires, por parte do Lusitano, viria a ter uma excelente oportunidade de cabeça, igualmente não concretizada. Ao intervalo aceitava-se o nulo no marcador.

Já na 2.ª parte, quando tal não se esperaria, o Lusitano de Évora a inaugurar o marcador, através de Faiando, aos 55 minutos. Paulo Pinheiro iria a empatar a partida pouco depois, ao minuto 57, de carrinho, a colocar a bola dentro da baliza à guarda de Rodrigo. O GUS reagiu muito bem ao golo do Lusitano, contra a corrente de jogo, e foi para cima do adversário, querendo resolver a partida. Após a reação do União ao golo, o jogo iria serenar um pouco.

Cipriano Madeira viria a trocar os desgastados Tony Cabrita por Nuno Silva, e Cláudio Neves viria a substituir Miguel Barrenho. O Lusitano deu depois, nos minutos finais do tempo regulamentar, sinal de vida, a estar mais forte e a ter diversas oportunidades para marcar o segundo, com a defensiva do União a estar menos bem, com algumas unidades a mostrar cansaço. Chegava-se ao final do tempo regulamentar, com a partida a ir para prolongamento.

O União entrou melhor nos 30 minutos do prolongamento, mas Faianco, ao minuto 98″, a fazer gato sapato da defensiva Alvinegra, a estoirar para o 1-2. Ainda antes do intervalo do prolongamento, Cipriano Madeira arriscou tudo, ao trocar Pedro Catarro por Kaio César. Aos 105 minutos a insistência do União deu resultados, com Cláudio Neves a empatar a partida.

Na 2.ª parte do prolongamento, nenhuma das equipas conseguiu desfazer o empate e a partida a ir para a lotaria das grandes penalidades. Aqui, e após uma primeira série de grandes penalidades, com ambos os conjuntos a concretizarem 3 penalidades e a falharem 2, na segunda série o Lusitano de Évora foi mais feliz e carimbou a passagem à final, ao vencer por 5-6.

Na outra partida das meias-finais da Taça, o Redondense viria a carimbar a passagem à final já em cima do minuto 90, com golo do defesa central Apolo Évora.