Deposição de crânios descoberta em Reguengos de Monsaraz

crnios_reguengosUma “deposição de crânios humanos”, que os arqueólogos apontam como “grande raridade”, é a revelação da campanha arqueológica no complexo pré-histórico dos Perdigões, na herdade do Esporão, em Reguengos de Monsaraz, que decorre até ao final do mês.

Os crânios humanos constituem uma das descobertas da campanha, a que se juntam outras como uma provável segunda sepultura colectiva e uma cabana.

O complexo dos Perdigões foi construído há 5.000 anos, e tem sido alvo de uma intervenção arqueológica sistemática desde 1996, ao longo de cerca de 20 hectares, estando datado do Neolítico e do Calcolítico, entre os anos 3.500 e 2.000 antes de Cristo.

Os crânios humanos constituem uma das descobertas da campanha, a que se juntam outras como uma provável segunda sepultura colectiva, “tholos”, e uma cabana.

“Registámos uma descoberta de grande raridade, com fortes indícios de ter sido uma deposição intencional e ritualizada de restos de crânios humanos, parte deles com sinais de terem sido queimados, incluindo os de uma criança de cerca de três anos, em associação a restos de ossos de animais, em depósitos de terra que preenchiam um dos fossos nos Perdigões”, disse a arqueóloga Mafalda Capela.

“Esta estrutura delimitava um dos recintos cerimoniais que, durante o terceiro milénio antes de Cristo, foi construído neste enorme sítio, que teve grande importância para comunidades dispersas por um amplo território”, acrescentou.

 Foi também “descoberta uma estrutura arquitetónica circular na área central do complexo arqueológico, com entrada orientada a nascente, nomeadamente ao quadrante situado entre os solstícios de verão e de inverno”.

As escavações, sob a responsabilidade da Era-Arqueologia, lideradas pelo arqueólogo Antonio Valera, são levadas a cabo por uma equipa internacional de 20 arqueólogos.

Foto: Lusa