Aumento do preço do tabaco e lei restritiva diminuem consumo

Mara_ConstantinoO aumento do preço do tabaco e uma lei mais restritiva parecem ter diminuído o consumo, de acordo com o relatório da Direção Geral da Saúde que avalia o impacto da lei do tabaco.

A queda de 5,6% na receita fiscal do tabaco pode indicar que se fuma menos em Portugal.

De acordo com Mara Constantido, jurista da delegação de Évora da Deco, 82% dos inquiridos concorda com a proibição de fumar em locais públicos. 

Ouvir aqui Conversa em Dia

Com a introdução da lei em 2007, todos os centros de saúde integrados no Serviço Nacional de Saúde e os serviços hospitalares públicos ficaram obrigados a criar consultas especializadas de apoio aos fumadores que pretendessem deixar de fumar. O estudo da Direção-Geral da Saúde demonstra que o total de consultas de cessação tabágica aumentou na região Centro e Algarve; em Lisboa e Vale do Tejo manteve-se, mas diminuiu consideravelmente no Norte e no Alentejo. Para a Associação de Defesa do Consumidor, é fundamental garantir a disponibilidade deste serviço ao nível nacional e pelo menos manter a atual cobertura ou, se possível, aumentá-la.

O estudo diz ainda que a maioria dos portugueses é favorável à introdução de novas medidas de controlo e prevenção do tabagismo. Também a Deco considera que há ainda medidas que falta adoptar.

A receita do imposto sobre o tabaco diminuiu 5,6%, em 2012, em especial o tabaco de enrolar. O aumento do preço do tabaco tem vindo a limitar o consumo principalmente por parte dos jovens.