UGT critica governo e políticas de austeridade

carlos_silva_da_ugtCarlos Silva, secretário-geral da UGT (União Geral de Trabalhadores), lança duras críticas ao Governo por continuar a aplicar políticas de austeridade.

“Eu lamento que o plano Juncker tenha sido uma iniciativa da União Europeia sem o apoio claro do Governo Português, em relação à política nacional”, alega Carlos Silva. “Uma coisa é o Jean-Claude Juncker vir dizer que é necessário apoiar o investimento na Europa com 310 mil milhões de euros e agora vem o presidente do BCE (Banco Central Europeu) disponibilizar mais de um bilião de euros para a criação de investimento em toda a Europa e em Portugal continuam-se a aplicar medidas de austeridade”. “Há aqui qualquer coisa que não está certa; há qualquer coisa que é paradoxal”, garante.

Para o secretário-geral da UGT “não podemos continuar a assistir a um fomentar do investimento, do crescimento económico em toda a Europa e Portugal continua com a cabeça metida na areia, como as avestruzes, em que as políticas de austeridade é que são para seguir”. Carlos Silva vai mais longe e garante que “o Governo português contraria a posição do Papa Francisco”, que diz ser preciso “combater a pobreza e dar expectativa às pessoas”, e do prémio Nobel da Economia Joseph Stiglitz, “que vem dizer que as políticas de austeridade estavam erradas”.

“O Governo continua a reduzir salários, ou a não os aumentar – desde 2010 que não há aumentos salariais na Administração Pública”, lembra Carlos Silva. “É com os privados que temos de contar”, remata.