Cante Alentejano é Património da Humanidade

cante_alentejano

O cante alentejano foi hoje classificado como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

A distinção foi aprovada, hoje de manhã, pelo Comité Intergovernamental da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da Humanidade, que está reunido esta semana em Paris (França).

Esta manifestação cultural do povo alentejano viu assim reconhecido o seu valor universal após um longo processo que, liderado pela Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo e a Câmara Municipal de Serpa – com a colaboração de outras entidades públicas e privadas do território – teve início em 2011, com a preparação dos trabalhos técnicos e científicos que sustentaram a candidatura.

“Foram três dias de intenso trabalho em Paris, neste Comité Intergovernamental, e foi um misto de enorme alegria e lágrimas”, confessa o presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, Ceia da Silva. “É um motivo de grande satisfação, de grande orgulho para todos os alentejanos e para os portugueses significa que o Alentejo viu reconhecida a sua alma, a sua identidade, a sua cultura”, acrescenta.

“Há quatro anos que a Entidade Regional, conjuntamente com a Câmara de Serpa, iniciou este processo, que não era um processo fácil; teve alguns momentos mais difíceis, mas nunca desistimos e conseguimos alcançar a tal utopia, o tal sonho”, lembra Ceia da Silva.

Há exatamente três anos, a 27 de novembro de 2011, Portugal celebrou a eleição do fado como Património Imaterial da Humanidade. No ano passado, foi a vez de a dieta mediterrânica entrar para a prestigiada lista, graças à candidatura conjunta submetida por Portugal, Chipre, Croácia, Grécia, Espanha, Itália e Marrocos.