Alentejo: Património cultural recuperado por 12,8 ME

fortegraaDezasseis novos projetos na área do património cultural vão ser desenvolvidos no Alentejo, num investimento total de 12,8 milhões de euros, com um financiamento comunitário que ronda os 10,2 milhões, através do FEDER – Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional.

Forte da Graça recebe maior fatia

O Monumento Nacional Forte da Graça (na foto), em Elvas, classificado como Património da Humanidade, prevê à volta de 5,6 milhões de euros de investimento, a que corresponde um financiamento FEDER de 4,7 milhões. A adjudicação da empreitada foi anunciada recentemente pelo município local.

Este projeto vai permitir reabilitar o Forte e adaptá-lo para acolher atividades culturais.

Outro dos grandes investimentos diz respeito à requalificação da Igreja e Convento de S. Francisco, em Évora, com cerca de 3,5 milhões de euros de investimento, financiados pelo FEDER na ordem dos 2,5 milhões.

A sessão de assinatura destes contratos de financiamento a projetos de património cultural, teve lugar ao início desta tarde, na Galeria de Exposições da CCDRA – Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, na cidade de Évora.

Outro Património Alvo de Recuperação

O conjunto de projetos integra ainda outras intervenções distribuídas por todo o Alentejo, nomeadamente na Sé de Elvas, na Estação Arqueológica de Alter do Chão, na Torre do Relógio de Alcácer do Sal e no Espaço Robinson, em Portalegre.

A Torre de Menagem do Castelo de Beja, a Igreja Matriz de Alcáçovas (Viana do Alentejo) e as muralhas de Serpa são outros dos monumentos abrangidos, a que se juntam outros projetos como a valorização e divulgação da Música Coral e os Bonecos de Estremoz.