IPMA esclarece: “não existem elementos para afirmar ter-se tratado de um tornado” em Montemor

mau_tempo_27_setO Instituto Português do Mar e da Atmosfera lançou um comunicado acerca do fenómeno atmosférico do passado dia 27 de Setembro que diz o seguinte:

“No dia 27 de setembro de 2013, o estado do tempo em Portugal Continental foi condicionado por uma depressão centrada a oeste da Galiza e pela passagem de uma frente oclusa. Na sua circulação era transportada uma massa de ar equatorial modificada e o perfil vertical do vento sugeria wind shear pouco acentuado. Estas condições são consistentes com a ocorrência de convecção organizada.

No próprio dia, alguns relatos sugeriram a passagem de um tornado pela cidade de Montemor-o-Novo (distrito de Évora), mais concretamente na av. Gago Coutinho. Os estragos relatados nesse local, traduziram-se na queda de cerca de duas dezenas de árvores com danos diretos em automóveis ligeiros e no destelhamento de algumas habitações, obrigando ao corte daquela avenida para desobstrução.

Pelas 12h36, as observações com radar Doppler mostram a presença de uma supercélula (SC) nas imediações daquela cidade. Contudo, atendendo ao reduzido tempo durante o qual o fenómeno terá afetado a área segundo relatos; a natureza dos danos documentados; a aparente inexistência de um rasto de destruição; e a inexistência de relatos inequívocos mencionando a visualização da tromba de tornado, não existem elementos para afirmar ter-se tratado de um tornado. Atendendo aos mesmos elementos, poder-se-á ter tratado da descida, até junto da superfície, de uma circulação intensa associada ao mesociclone da referida supercélula, ou de um fenómeno de tipo microburst.”