Projeto de preservação da Ribeira da Caridade vai efetuar estudos biofísicos na linha de água

IMG_0455O projeto de preservação “Ribeira da Caridade – Melhor Água, Melhor Vida” vai efetuar estudos biofísicos na Ribeira da Caridade e em seguida formar uma equipa de trabalho que envolva proprietários, interessados em geral e técnicos para assegurar a recuperação ambiental desta linha de água. Nesta primeira reunião de trabalho ficou igualmente decidido promover ações de sensibilização a toda a população.  

   

A reunião decorreu no Salão Nobre do Município de Reguengos de Monsaraz e para além da autarquia teve a participação do Esporão S.A., da AmBioDiv, da Agência Portuguesa do Ambiente/Administração da Região Hidrográfica do Alentejo, da GNR – SEPNA de Reguengos de Monsaraz e de proprietários dos terrenos que incorporam ou são delimitados pela Ribeira da Caridade.  

Este projeto pretende garantir a recuperação e proteção dos mais de 25 quilómetros de extensão da Ribeira da Caridade, travar a perda de biodiversidade, efetuar intervenções em troços prioritários tendo em vista o seu restauro e promover um novo conceito de utilização da ribeira. Na reunião, a autarquia efetuou o enquadramento geográfico, climatológico e hidrológico desta linha de água que pertence à Bacia Hidrográfica do Guadiana.

A AmBioDiv explicou as potencialidades em termos de fauna e flora, apresentando o trabalho desenvolvido pelo Esporão para a preservação da ribeira e de algumas espécies que têm nidificado em vários troços, alertando para os perigos de possíveis poluições diretas ou difusas recorrendo à amostragem de análises realizadas nos últimos cinco anos ao estado daquela massa de água. A Agência Portuguesa do Ambiente – ARH Alentejo deu exemplos de intervenções de manutenção e demonstrou a importância da limpeza para o normal curso de uma linha de água.

O SEPNA de Reguengos de Monsaraz apresentou os casos reais e práticos de operações de fiscalização aos recursos hídricos superficiais que levaram ao levantamento de contraordenações nas áreas do domínio público hídrico e da qualidade da água. Os proprietários dos terrenos apontaram dificuldades financeiras para efetuarem a limpeza e manutenção da Ribeira da Caridade exigidas por lei e que os próprios gostariam de executar.